Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘19 de março’

Dia 2015-03-19 17.12.27de muito orgulho para  trabalhadores Artesãos que fortalecem e difundem a identidade de nossos produtos artesanais de grande conteúdo histórico e cultural,cujo valor é reconhecido no mundo!

Artesão

O artesão é a pessoa que domina com perfeição uma determinada técnica e, graças a esse conhecimento, transforma a matéria-prima natural num objeto de caráter lúdico, decorativo ou utilitário.

Vitalidade, energia, beleza, criatividade e simplicidade são características fortes do artesão.

A motivação da criação artística nesse universo de tramas, fios, fibras, texturas, pontos, hastes, cores, luzes e movimentos são os elementos essenciais do processo de criação do artesão.

O principal objetivo da comemoração é reconhecer, valorizar e elogiar o trabalho de homens e mulheres de todas as regiões do nosso país, dedicados ao ofício. 

Neste dia, Isabel Gonçalves e equipe,Presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores Artesãos-CNARTs,estão numa agenda pesada em Brasília na luta pelas demandas do artesanato brasileiro.

Artesanato do Rio Grande do Sul 

O artesanato é a expressão mais genuína da autenticidade popular, é a fusão de várias culturas que passa de geração em geração, que se identifica com seu entorno, sua simplicidade de desenhos e revelam seus sentimentos.

O turista que visitar o Rio Grande do Sul terá a oportunidade de constatar esta afirmação. Aqui, o visitante poderá apreciar e adquirir um artesanato regionalizado, e conseqüentemente diversificado, conforme as distintas etnias do nosso povo.

Porém, o artesanato mais característico do Rio Grande do Sul é aquele representado pela cultura e hábitos do pampa. É nesta região que o gaúcho buscou inspiração e os materiais necessários para construir os utensílios de seu rancho, bem como aqueles destinados às lides campeiras.

Entre os materiais ainda hoje empregados no trabalho artesanal está o couro bovino, cuja origem do seu uso confunde-se com a história antropológica do gaúcho. É o principal componente de produtos tradicionalmente artesanais, como bainhas de faca, boleadeiras, arreios, botas, guaiacas, malas de garupa, assim como móveis caseiros, como o lastro trançado em couro das camas,tapetes,os assentos e encostos das cadeiras.

Mas se o couro pode ser tirado de outros animais, e não apenas necessariamente de bovinos como se pensa, os chifres tem origem definida. Os cabos de facas, chairas e canivetes, que são ornamentados com chifres bovinos, destacam-se de seus similares. Assim como servia- e serve – de cantil para guardar a “canha” (cachaça). Antigamente, os chifres também eram utilizados para a fabricação de isqueiros.

Dentro da linha de artesanato campeiro, destaca-se ainda a lã de ovelha. Esta matéria prima é a mais representativa do artesanato sul-rio-grandense de inverno, sendo a base para confecções de cobertores, agasalhos, tapeçaria e decoração de ambientes, estas duas últimas originalmente encontradas em casas de campos, sítios e fazendas, hoje enfeitam também as residências urbanas.

Contudo, a tradicional cuia de chimarrão, símbolo máximo da bebida do gaúcho, não poderia faltar. Seu trabalho artesanal elaborado a partir da fruta do porongueiro, o porongo, chama atenção pela sua rusticidade e durabilidade.

Na Cadeia do Peixe,aproveita-se as escamas e couros de peixes das Colônias de Pescadores gerando renda para suas famílias.

Devemos enaltecer também,as Cadeias do Osso e das Gemas e Jóias,muito forte no RS.

Também rico e diversificado é a cultura alimentar tradicional ou  artesanato degustativo que envolve uma variedade de produtos que vão desde o famoso churrasco,cuca,bolos, os doces, balas, compotas, biscoitos, chocolates até a elaboração de pratos típicos de determinados lugares. O aproveitamento da matéria-prima da região é característica deste artesanato que acaba tornando-se uma referência e um atrativo para o turismo do lugar onde é confeccionado.

Também é muito utilizado  o reaproveitamento de alimentos como cascas de verduras,raízes,frutas e folhas.

Com isto, assinala-se a linha de frente da expressão artesanal do RS, sem esquecer, entretanto, de citar os trabalhos trançados em palha de milho e os produtos indígenas que tem no cipó e no guaimbé a matéria prima essencial para a fabricação de arcos, flechas, chapéus, cestas e ornamentos. 

Artesanato de Santa Catarina

A tradição alemã de cuidado e atenção aos detalhes se faz presente no artesanato. Espírito vivo da cultura germânica, ele é retratado em bonecos trajados tipicamente que parecem ter vida própria. Nas ruas centrais da cidade, ou no Parque Vila Germânica, porcelanas, cristais, bordados e muitos outros artigos são ótimas opções para quem quer levar para casa um pedacinho concreto da Alemanha tropical.

Dos trabalhos surpreendentes, feitos por artistas e artesãos locais, se destacam a pintura Bauernmalerei,  os Fensterbildern,a pintura em cascas de ovos e o artesanato em madeira.

Bauernmalerei: uma técnica de pintura que tem origem entre os camponeses da Áustria, Alemanha e Suíça, nos séculos 17 e 18. O folclore desse estilo de pintura foi uma forma alegre e barata que a população rural encontrou para decorar as suas casas. A pintura camponesa retrata a visão simples da natureza, como as flores e os pássaros, em cores fortes e contrastantes. Essa tradição atravessou as gerações e pode ser reconhecida até hoje em construções, peças de mobília e decoração.

Fensterbildern: figuras de madeira vazadas e recortadas, as Fensterbildern, muito comuns na Alemanha, são tradicionalmente empregadas na ornamentação de janelas.

Pintura em cascas de ovos: a pintura em cascas de ovos – de galinha, de pato, de ganso, de avestruz e até de lagartixa – bem como de ovos torneados de madeira é uma especialidade do artesanato de Pomerode. A artesã Silvana Pujol desenvolve esse refinado trabalho artesanal, que exige muita paciência e precisão quase cirúrgica. A inspiração da artesã Silvana são os traços da ourivezaria, profissão de seu pai. Esse trabalho já foi premiado nacionalmente. 

Artesanato em madeira: o artesanato em madeira também é muito difundido em Pomerode. Caixas, baús, brinquedos e objetos utilitários compõem o rol de produtos. A técnica chamada de Drechslerei, muito comum na Alemanha, caminha para a popularização em Pomerode. Nela, a madeira é torneada em um torno específico para depois receber um fino acabamento em tinta. A Drechslerei é principalmente utilizada para criar personagens de presépios, bonecos “quebra-nozes”, entre outros.

Artesanato do Paraná

O Artesanato Paranaense é muito rico e diversificado, com diferentes especialidades e técnicas produtivas, com traços de várias etnias que para cá vieram, existindo no Estado cerca de 12.000 microempreendedores artesanais.

Imigrantes alemães, poloneses, italianos e portugueses, que tinham suas atividades relacionadas ao artesanato do mundo rural ou na carpintaria, marcenaria, forja, moagem e olaria, através das matérias-primas que a natureza oferecia em abundância, implementaram novas técnicas e se utilizaram da arte e habilidade para criar novos produtos e gerar seu sustento.

Pode-se dizer então que a atividade artesanal no Estado está hoje dividida em dois setores distintos, ou seja, a nativa (ou indígena) e a aculturada (ou de influência européia), cada uma com suas peculiaridades apresenta variados tipos quanto ao material utilizado, formas e processos de fabricação.

O Artesanato Indígena foi gerado para atender essencialmente as necessidades da tribo. A utilização das cores e a expressão dos movimentos são marcas dos objetos artesanais indígenas que demonstram a importância que o índio dá a estética.

O uso de matérias-primas como a palha, o barro, as fibras vegetais e a madeira destacam-se nos objetos confeccionados (cestarias e utensílios em barro e madeira).

Por outro lado, a imigração européia legou aos paranaenses as bonecas feitas em palha de milho, bordados, objetos em marchetaria, entalhe, palha de trigo e tecelagem.

Destacamos a seguir alguns conceitos característicos e bem definidos do artesanato paranaense:

Artesanato – Fibras Naturais

Utiliza matéria-prima vegetal como: vime, palha de milho e trigo, cipó, junco, taquara, bambu, folha de bananeira, piri e cizal.

Dessa matéria-prima, são confeccionados, com técnicas diversas, objetos utilitários e de adorno como: cestaria, porta-jóias, bolsas, chapéus, bonecas, jogos de xadrez e redes, nos municípios do Litoral, Rio Negro, Ponta Grossa, Maringá, Curitiba (Santa Felicidade e Região Metropolitana), Palmeira (Witmarsum).

Artesanato – Cerâmica

O barro é a matéria-prima utilizada para este tipo de artesanato. Através de técnicas e procedimentos variados são confeccionados objetos como vasos, panelas, moringas, objetos sacros e até brinquedos.

A cerâmica é uma das mais significativas manifestações do artesanato brasileiro e as peças confeccionadas expressam a cultura e o folclore de cada região, principalmente do Litoral, Irati, Curitiba e Foz do Iguaçu.

Artesanato – Madeira

No Estado do Paraná o artesanato em madeira é bastante rico e variado, e pode-se dizer que são produzidos objetos sofisticados através do entalhe e marchetaria, até objetos não menos bonitos e interessantes das sobras de madeira.

O entalhe é feito com a ajuda de um instrumento cortante que pode ser rústico ou até uma simples faca, onde o artesão com seu talento trabalha e dá forma a um pedaço de madeira. Desta técnica resultam belas esculturas.

A Marchetaria consiste na confecção de objetos como porta-jóias, estojos diversos e peças decorativas que são possíveis de criação graças a habilidade do artesão no corte e montagem de desenhos com a utilização da madeira de diversas cores.

Nas técnicas de escultura em madeira destacam-se artesãos e artistas em Curitiba, Irati, Bocaiúva do Sul, Cascavel e muitos outros municípios, além do Litoral Paranaense.

Artesanato – Tecelagem

Esta técnica é bastante característica do Paraná, sendo praticada geralmente por mulheres, as chamadas tecelãs que confeccionam redes, colchas, mantos e belíssimos tapetes.

As tecelãs utilizam fios de algodão, lã ou seda que são tramados em teares manuais. O tingimento das peças confeccionadas com tintas naturais valoriza este tipo de artesanato, produzido notadamente em Tibagi, Cianorte e Curitiba.

Artesanato – Reciclado

Trata-se de confecção de peças utilitárias e decorativas através da utilização do lixo orgânico ou reciclável.

Com o material reciclável são confeccionados objetos com: candelabros, cachepos, flores, enfeites, tapetes, sacolas e embalagens. São exemplos de material reciclável as garrafas pets, caixa de leite, cacos de vidros e de cerâmica, etc.

Já com o lixo orgânico como folhas diversas, cascas, e papel são confeccionados produtos artesanais como biscuis, papel artesanal e através da técnica do papel marche, diversos objetos decorativos.

Artesanato – Souvenirs

Este tipo de artesanato refere-se a confecção de objetos de pequeno porte como chaveiros, imãs de geladeira, biscui, e outros. Com a utilização de materiais diversos a exemplo de resina, madeira, tecido, vidro, arame, etc.

É importante salientar que tais objetos preservam a identidade cultural da Região, Estado ou País.

Artesanato – Alimentos

Também rico e diversificado o artesanato degustativo envolve uma variedade de produtos que vão desde os doces, balas, compotas, biscoitos, chocolates até a elaboração de pratos típicos de determinados lugares. O aproveitamento da matéria-prima da região é característica deste artesanato que acaba tornando-se uma referência e um atrativo para o turismo do lugar onde é confeccionado.

Também é muito utilizado no artesanato degustativo o reaproveitamento de alimentos como cascas de verduras e frutas e folhas.

Artesanato – Etnias

Além da influência que as diversas etnias que colonizaram o Paraná, exerceram no artesanato, alguns objetos que possuem grande aceitação preservam as características e tipicidade dessas etnias a exemplo das pêssankas (ucranianas), confeccionadas em Curitiba e Prudentópolis, e do origami, kirigami, oshibana e ikebana (japoneses), produzidos em Curitiba, Assaí, Londrina, Maringá e Goioerê.

“O artesanato é o reflexo de um povo e parte de sua história e de seus costumes.Os saberes e fazeres artesanais da nossa ancestralidade são passados de geração em geração para o empoderamento humano.Por isso, saudamos e convidamos todos os companheir@s Artesãs e Artesãos, associações,cooperativas e grupos informais de ofício e comunidades de artesanato em geral a participarem nas várias atividades que estão previstas nesta data especial em todo país. Vamos comemorar e compartilhar a arte e cultura que se expressa através de nossas mãos”,disse Marly Cuesta,mestra artesã e Representante da Região Sul no Colegiado Setorial do Artesanato do Conselho Nacional de Política Cultural-CNPC/MINC.

Mais sobre o artesanato nos links:

http://www.fgtas.rs.gov.br/conteudo.php?cod_conteudo=4942

http://www.brasil.gov.br/cultura/2015/03/governo-federal-apoia-desenvolvimento-do-artesanato-brasileiro

Anúncios

Read Full Post »

%d blogueiros gostam disto: